É preciso secar as raízes ao terror

Indignação, condenação, condolências, solidariedade: tal como nos atentados de Paris, volta a registar-se uma onda de quase unanimidade contra os actos terroristas que agora atingiram o coração da Bélgica – que é também, simbolicamente, o coração da União Europeia. Mas este ciclo, onde a brutalidade do terror e a dor das vítimas alternam com manifestações de solidariedade internacional e com um reforço da segurança nos países atingidos, pode repetir-se vezes sem conta se não se for mais fundo no ataque às origens de tal calamidade. A começar por um ponto de que se vai falando mas que raramente se enfrenta com seriedade e eficácia: as fontes de financiamento dos grupos terroristas, envoltas numa teia que move demasiados interesses e que tem subsistido praticamente incólume, enquanto forças policiais e militares vão neutralizando alguns “ramos” sem conseguirem ir à “raiz”.

É bom recordar que os atentados de Bruxelas ocorrem escassos dias após a prisão (em Bruxelas, precisamente) de Salah Abdeslam, um dos implicados nos atentados de Paris; e também da divulgação, com algum furor mediático, de listas com milhares de nomes de supostos militantes do EI; ou seja, duas aparentes derrotas dos “soldados do Califado”, os mesmos que vieram agora reivindicar os odiosos atentados em Bruxelas.

E é bom recordar também que, por estes dias, outros atentados terroristas ocorreram, na Turquia (Ancara e Istambul) e na Costa do Marfim, sempre em lugares públicos e contra civis.

Ora, ao mesmo tempo que na Síria as bombas russas e americanas terão provocado estragos nos domínios do EI, a propagação de atentados na Europa e fora dela terá como objectivos imediatos, conforme explicava no Guardian Jason Burke, especialista em islamismo radical, “mostrar que ainda podem aterrorizar, mobilizar e polarizar com recurso à violência. Isto não se trata tanto de vingança, mas simplesmente demonstrar uma habilidade ininterrupta.” Mostrar que não estão acabados. E como serão uma rede implantada com alguma segurança, não franco-atiradores que viajariam com os refugiados (e esta tese tem vindo a ser defendida com intuitos xenófobos), terão mais facilidade em agir. Nos campos de refugiados, pelo contrário, tal como nos meios árabes que não alinham com os terroristas (mas que correm, mais uma vez, irracionalmente, o risco de serem confundidos com eles), as reacções são de indignação. O cartaz empunhado horas depois dos ataques por um jovem filho de refugiados, entre os muitos que se encontram barrados na fronteira da Grécia com a Macedónia, expressa esse sentimento numa só frase: “Sorry for Brussels”. Também lamentamos a sua sorte, e a de outros tantos que ali procuram a vida e não o sangue, mas no torvelinho de emoções que tudo mistura e confunde, os inocentes continuam a pagar pelos culpados. E a hidra terrorista continuará a matar, enquanto lhe permitirem alimentar-se na sombra. Não basta, por isso, chorar as vítimas a cada novo atentado. Em vez de blindar fronteiras ou limitar cada vez mais as liberdades, é preciso agir para que o terror não tenha uma só mão conivente com os seus crimes. Não será fácil, porque há quem lucre com isso, mas é indispensável para respirarmos em paz.

Editorial no Publico

Terroristas: Como aderem, como nos olham e como agem entre nós.

O jornalista Hernâni Carvalho acabou de lançar um livro com um tema bem actual: “Terroristas: Como aderem, como nos olham e como agem entre nós.”

Ontem numa conversa na RR falou sobre o livro e revelou algumas curiosidades, particularmente as razoes pelas quais Portugal estará, em principio, a salvo de ataques terroristas praticados pelo Daesh.

 

Media e terroristas “alimentam-se uns dos outros”

Ha dez anos debateu-se esta questão na Gulbenkian que hoje esta mais actual do que nunca.

“Numa época de comunicação global e internacional, nada impede os mensageiros do ódio e do terrorismo de ultrapassarem as fronteiras nacionais”, afirmou.

Na opinião da especialista, as organizações terroristas “são muito eficazes” na utilização dos meios de comunicação, uma vez que “espalham as suas poderosas palavras e imagens por todo o mundo” condicionando e recrutando “jovens impressionáveis” para as suas “causas violentas”.

Negando, noutro passo, que os “media” favoreçam qualquer tipo de violência, a especialista em ciência política considerou que, “inevitavelmente, cada acto terrorista dá origem a uma cobertura mediática”, cujo resultado vai de encontro ao pretendido pelos terroristas: “publicidade maciça e uma oportunidade para mostrarem a sua capacidade de lutar contra as nações mais fortes”.

Neste sentido, sublinhou, cada uma das partes (“media” e terrorismo) “alimenta-se” uma da outra.

Fonte: Media e terroristas “alimentam-se uns dos outros”-Especialista

Não podemos passar por cima dos Direitos Humanos mesmo quando lidamos com terroristas

O Expresso entrevistou quatro especialistas em terrorismo que já em outubro de 2014 antecipavam a possibilidade de novos atentados no Ocidente por parte de extremistas vindos da Síria. A solução passa por uma vigilância mais apertada dos sistemas de informação, numa estratégia comum aos 28 países da União Europeia, e um trabalho mais profundo nas comunidades onde proliferam discursos radicais. “Melhorar a educação das pessoas é uma das chaves” da luta contra o terrorismo, afirma um dos especialistas. Veja o vídeo

Fonte: Expresso

Não tememos, não cedemos, não odiamos

Cronica lucida de Daniel Oliveira no Expresso:

Esmagar o Daesh é uma prioridade absoluta. Mas se as armas forem a resposta, e até pode ser que sejam, o discurso vingativo apenas nos pode pôr de pé atrás. Da última vez que nos venderam esse remédio para a dor contribuímos para o caos de onde se ergueu este monstro. Uma das respostas da Europa aos assassinos deve ser reafirmar o valor da solidariedade, recebendo as primeiras vítimas da sua loucura ainda com mais determinação. Os que tentam, na Europa, virar a consternação com a carnificina contra os refugiados que nos procuram são, queiram ou não, cúmplices políticos da matança, ajudando o Daesh a impor a sua agenda de ódio

Cronica na integra aqui

O que é o Estado Islâmico?

Excelente artigo, e muito completo, no Publico sobre o ISIS.

O autoproclamado Estado Islâmico não é um simples grupo de psicopatas. É um grupo religioso com crenças cuidadosamente pensadas, entre elas a de que será ele o agente do apocalipse que se aproxima. Aqui explicamos o que isso significa para a sua estratégia — e como acabar com ela.

Artigo na integra: O que é o Estado Islâmico? – PÚBLICO

Made in ISIS

Bernardo Pires de Lima no DN

Não é terrorista quem quer, é terrorista quem sabe. Os ataques em Paris mostraram bem o ponto em que está o terrorismo made in ISIS. A coordenação não é uma novidade nestas ações macabras, mas sobe um degrau quando junta de rajada três metodologias complementares: bombistas suicidas num megaevento desportivo, tiroteio a sangue-frio num restaurante, massacre numa sala de espetáculos. Esta trilogia mostra o profissionalismo desta jihad coesa, compacta e sem margem para erros. Como não existe rigor sem preparação, sem tempo e sem dinheiro, tal só é possível pelo nível de liberdade com que a radicalização é feita, o treino ministrado e a doutrinação aplicada. Liberdade diretamente relacionada com os três círculos onde o ISIS hoje opera.

Artigo na integra: Jogos Sem Fronteiras – Made in ISIS – Bernardo Pires de Lima – DN