Carta aberta às pessoas amarelas

É que não… há… dinheiro… percebem? Mas não é aqueloutro “não há dinheiro”. É que por mais dinheiro que houvesse, o Estado não tem de pagar o Privado. Tem é de assegurar meios no Público. Por mais dinheiro que houvesse, nunca haveria dinheiro para vos sustentar.

Eu, Canhoto

Caras pessoas amarelas,

O que vos faz ir para as ruas é a escola dos filhos de cada um de vós. O que me fez e faz e fará ir para a rua, e até escrever este texto, é a escola de todos os filhos. Nunca foi “a escola do meu filho”. Foi sempre A Escola. Não vos vi por lá nessa altura. Usando o vosso vocabulário, a “escola do meu filho” andava a pagar a “escola dos vossos filhos”.

E aqui não há filhos e enteados. Fazem muito bem em lutar por um futuro melhor para os vossos filhos. Todos fazemos isso, como mães, pais e ainda que não sejamos pais ou mães (não percebem esta de nem sequer ter filhos e de, ainda assim, ter a obrigação de contribuir, pois não?).

Mas tentem ao menos perceber uma cena, a vossa liberdade de escolha (é a terceira vez que digo isto)…

View original post mais 477 palavras

Anúncios

Eu, pai, a direita e a educação

1. Vejam bem o que é o dia-a-dia de um pai normal (ou de uma mãe, pois claro). Levanta-se cedo, segue para o trabalho. As horas são o que são, faz-se o que encaixa no relógio, que nunca chega para tudo o que há por fazer. Depois é a hora de tratar das crianças. Elas chegam da escola, tomam banho, jantam, fazem os trabalhos de casa. De vez em quando sobra-lhes um bocadinho de tempo para brincar. De vez em quando. Um bocadinho.

Conhece a história, certo? Pois é aqui que eu não entendo a forma acesa como os dois partidos de direita têm tratado o tema da educação. Não é de hoje, é de há muito tempo. Exigência nos exames, logo ao quarto ano. Exigência nos currículos, logo ao terceiro ano de escola (alguém tem uma noção do que ali está imposto?). Exigência em tudo, pressão ao máximo.

Não, não me queixo por mim. Faz-me é uma impressão imensa esta obsessão da direita de fazer do primeiro ciclo uma espécie de antecâmara das crianças para a exigente vida futura: resultados, competitividade, pressão.

E agora pergunto eu: não era a direita que carregava a bandeira da família? E como é que a família faz para ter tempo para estar junta? E como é que as crianças podem crescer saudáveis se não tiverem tempo para brincar? Ou o conceito de família da direita é criar especialistas em física quântica aos 9 anos e as famílias contratarem pessoas para tratar das crianças?

E mais perguntas: não é a direita que clama pela autonomia das escolas no plano curricular? Que acha que os modelos educativos devem ser definidos por quem está no terreno? Então e como é que isso se compatibiliza com programas gigantescos, que os professores têm de cumprir até à última página?

Só mais uma (perdoem-me o desabafo). Defendendo a autonomia das escolas, a direita não devia de uma vez deixar esta polémica com os contratos de associação e lutar, de uma vez por todas, pelo apoio a alunos e não a escolas? E defender que as escolas de topo sejam realmente inclusivas, aceitando qualquer aluno sem limitações para ter acesso a dinheiro público? Mas, afinal, onde está o elevador social que tantos discursos fez no PSD e no CDS?

Às vezes não percebo mesmo estes partidos. Como quando vejo o CDS a propor uma outra divisão do ano escolar, com pausas a meio dos períodos letivos. Não, uma família normal não tem como organizar a sua vida com tanta confusão. Se a ideia é ser propositivo, se a ideia é arranjar um bom programa alternativo, a direita devia reunir-se menos em grupos de trabalho e entre deputados e ouvir mais as pessoas. Mas aquelas que vivem (mal) remediadamente. É com esses que se constrói um país diferente, não sem eles e falando em nome deles.

2. Já agora que falo do tema, acrescento uns elogios ao ministro da Educação. Não me parece nada mal a ideia de acrescentar tutores educativos, como agora é proposto. Melhor ainda me parece a ideia de dar manuais escolares gratuitos no primeiro ciclo (embora o modo de o fazer me gere desconfianças, porque não há criança de 6 anos que deixe o manual intacto para o que vier). Também não me parece mal mudar os critérios dos créditos horários dados às escolas, porque não me parece bem que a escola seja premiada por conseguir boas notas dos alunos (que é premiar os melhores contextos e não as melhores práticas).

Na verdade, nem estabelecer um diálogo estreito com a Fenprof me parece crime de lesa-pátria, francamente. O que se deve exigir a Brandão Rodrigues, isso sim, é que dê igual (ou maior) importância a negociar com a oposição um mínimo denominador comum, para que daqui a uns anos não voltemos 180 graus atrás, deixando gerações inteiras à deriva. Por mim, só lhe peço isso. De resto, não me queixo nem protesto.

3. Como estou em maré de elogios, dou um salto à vaca que voa para dar um bem-haja ao novo Simplex. E à prudência de uma ministra que tem a coragem de elogiar o que foi feito pelo anterior governo (mesmo que pouco). Ficam os balcões do cidadão, são mesmo alargados.

Tenho a certeza de que de a melhor coisa que o Estado pode fazer pela produtividade do país é dispensar cada um de nós daquele processo kafkiano de andar de balcão em balcão, atrás daquele papel final. Melhor dizendo: por mim, o Simplex só tinha uma medida: informatizar toda a administração pública com um sistema que permitisse o cruzamento de informação total. Será que esta vaca voava?

Artigo de opinião de David Dinis no DN

A amnésia de Passos, o Interesse Alheio, o Ensino Privado e o Direito de Escolha

Decididamente Passos Coelho tem um grave problema de memória e as efabulações que debita já roçam o delírio.

Fonte: A amnésia de Passos, o Interesse Alheio, o Ensino Privado e o Direito de Escolha – Jornal Tornado