A tragedia silenciosa da pandemia nas prisoes.

É uma carta de amor e de despedida. Ele explica a situação em que se encontram os presos onde ele está: cada vez mais doentes, cada vez mais abandonados. E não vê outro desfecho que não seja a doença e a morte. É triste. É o retrato da negligência do Estado com pessoas sob sua custódia.

Continue a ler